20.11.05

horror

e xustiza poética.

Sem comentários: